O INSS começará a discutir, amanhã, como será feito o pagamento dos atrasados e a correção dos benefícios concedidos a 131 mil aposentados que contribuíram pelo teto da Previdência de 1998 a 2003, mas receberam valores menores do que os devidos. O presidente do instituto, Mauro Hauschild, explicou que estão sendo analisadas três possibilidades com a Advocacia-Geral da União (AGU) e com o Ministério da Fazenda.
— Administrativamente, o pagamento poderá ser feito de uma só vez ou parcelado. Também existe a possibilidade de pagarmos de acordo com as ações dos segurados que forem buscar a revisão na Justiça — disse Hauschild, acrescentando que não há prazo para uma decisão.
Enquanto o INSS estuda, a Justiça age para garantir a correção. Hoje, o defensor federal André Ordacgy, da Defensoria Pública da União, envia ofício ao INSS cobrando explicações sobre o não pagamento por meio administrativo. Caso não haja resposta em 15 dias, o defensor entrará com uma ação civil pública que poderá beneficiar todos os segurados. Em São Paulo, o procurador da República Jefferson Dias recebeu, ontem, um retorno do INSS sobre a correção, pedindo uni prazo até o fim da próxima semana para responder.
Quiosques
O presidente do INSS vai se encontrar, hoje, com o governador Sérgio Cabral. Eles vão discutir a instalação de quiosques de atendimento previdenciário nas comunidades do Santa Marta e do Complexo do Alemão.
Auxílio sem perícia por 30 dias, inicialmente
? A liberação do auxílio-doença sem a necessidade de o segurado passar pela perícia do INSS deverá ser concedido de forma gradual, caso o projeto se torne realidade, explicou o presidente do instituto, Mauro Hauschild. A ideia é começar concedendo benefícios mediante a apresentação de atestado médico por, no máximo, 30 dias.
— Depois, vamos ampliar para 60 e 90 dias, até chegar aos 120 previstos inicialmente. Queremos fazer toda essa transição devagar — disse Hauschild.
Com a iniciativa, o INSS espera reduzir de sete milhões para seis milhões o número de atendimentos, podendo deslocar os médicos peritos para outras atividades, como reabilitações e reavaliações de aposentadorias por invalidez.
O presidente do INSS também explicou que foi enviado um pedido de autorização ao Ministério da Fazenda para que 250 médicos sejam convocados até o dia 5 de maio. Eles deverão substituir 350 terceirizados, cujos contratos estão terminando.  (Extra Online)

 

One Response to INSS: Correção de benefícios

  1. paulo gilberto portela da silva disse:

    me aposentei no ano de 1997 por tenpode serviço …naquela de privatisaçao,nunca recorri a nem um meio para ver se esta serto ou naoficaria feliz se podessem me ajudar…se tenho que faser revisao …desde ja agradeço